quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Só mais um pouquinho

Mesmo sendo uma 'lembradora' por ofício, não sou nada afeita a saudosismos.
No entanto, hoje, finalmente consegui assistir a um capítulo da novela Vale-Tudo.
E vendo Odete Roitman vociferando pérolas cáusticas, dei-me licença para voltar no tempo. E a um sentimento único. Trago-o comigo até o momento. E é uma paz muito grande. Uma sensação de plenitude e tranquilidade.

Lembro-me meio que decor, de um trecho d'um livro legal: "Só somos felizes, realmente felizes, quando é para sempre e esse tempo só existe na infância...", algo assim. O autor descreve então, os maiores momentos eternizados de sua meninice. Voltei aos meus. Mas o curioso, não é lembrar de fatos, mas senti-los. Mesmo sabendo desde aquela época, quem matou a memorável vilã. Isso não tem importância nenhuma, embora tenha sido uma cena que me chocou demais. Lembro-me do cheiro do piso de lajotas do quintal e do seu frescor em dias de calor. Deitava neles. Era puro devir. Só havia o presente para uma existência tão recente.